Notícia


Direito Tributário
30/11/2018

STJ mantém decisão sobre o que pode ser considerado insumo para a obtenção de créditos de PIS e COFINS

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça manteve o entendimento proferido em sede de julgamento do Recurso Especial nº 1.221.170/PR, cuja Relatoria coube ao Ministro Napoleão Nunes Maia Filho, negando o recurso apresentado pela União Federal (Fazenda Nacional).

A decisão preservou a tese firmada pelos ministros, que definiu os critérios para identificar o que pode ser considerado insumo no que se refere à obtenção de crédito de PIS e de Cofins, representando uma significativa vitória para os contribuintes.

O Recurso Especial Representativo de Controvérsia foi proferido sob o rito do art. 543-C do CPC/1973 (arts. 1.036 e seguintes do CPC/2015) e levou em conta os critérios da essencialidade e da relevância para a definição do conceito de insumo.

Ou seja, o que deve ser levado em conta é o caráter de imprescindibilidade ou a relevância de determinado item – bem ou serviço – para o desenvolvimento de determinada atividade econômica desempenhada pelo contribuinte.

Contudo, também restou definido que a análise do que é essencial e relevante deve ser realizada caso a caso, uma vez que depende da atividade do contribuinte e da instrução probatória.

No julgamento que negou provimento aos Embargos de Declaração opostos pela Fazenda Pública, o Superior Tribunal de Justiça considerou que a Fazenda teria inovado em seu recurso, com a finalidade de ampliar o objeto do Recurso Especial, não contendo quaisquer dos vícios elencados no art. 1.022 do CPC.

Acerca da definição de insumos no julgamento, havia três linhas de entendimento: orientação restrita, baseada na legislação do IPI, que considera como crédito a aquisição de bens que entrem em contato físico com o produto; orientação intermediária, consistente em examinar, caso a caso, se há emprego direto ou indireto no processo produtivo (“teste de subtração”), prestigiando a avaliação dos critérios da essencialidade e da pertinência; e a orientação ampliada, assemelhando-se ao conceito de insumo da legislação do IRPJ.

No voto que prevaleceu no julgamento, de autoria da Ministra Regina Helena Costa, restou reconhecida a ilegalidade da IN SRF nº 247/2002 e da IN SRF nº 404/2004, uma vez que restringiram indevidamente o conceito de insumo, comprometendo a eficácia do sistema de não-cumulatividade da contribuição ao PIS e à Cofins, definido pelas Lei nº 10.637/2002 e Lei nº 10.833/2003.

No voto da Ministra, ainda restou conceituada a essencialidade como “item do qual dependa, intrínseca e fundamentalmente, o produto ou o serviço, constituindo elemento estrutural e inseparável do processo produtivo ou da execução do serviço, ou, quando menos, a sua falta lhes prive de qualidade, quantidade e/ou suficiência.”

Já a relevância, para a Ministra, “considerada como critério definidor de insumo, é identificável no item cuja finalidade, embora não indispensável à elaboração do próprio produto ou à prestação do serviço, integre o processo de produção, seja pelas singularidades de cada cadeia produtiva (…)”.

O voto da Ministra seguiu a linha do entendimento anteriormente proferido pelo Ministro Mauro Campbell, que já havia estabelecido como critérios a essencialidade e a pertinência – este, após o voto da Ministra, reconsiderou o seu para seguir os critérios estabelecidos por ela.

A ministra também chamou atenção para o Princípio da Não Cumulatividade Tributária, afirmando que: “(…) para a devida eficácia do sistema de não-cumulatividade, é fundamental a definição do conceito de insumo, já que as despesas efetuadas a esse título constituem créditos utilizáveis na apuração da base de cálculo do tributo devido. (…) Observe-se que a vedação ao creditamento de despesas efetuadas a título de insumos implica ofensa imediata à sistemática da não-cumulatividade disciplinada nos diplomas legais apontados e, em consequência, ao princípio da capacidade contributiva, uma vez que tal proceder acarreta, ao revés, a cumulatividade das mencionadas contribuições na hipótese em foco.”

Importante destacar que, segundo o § 2º do art. 62 do Regimento Interno Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Portaria MF nº 343/2015), as decisões definitivas de mérito, proferidas pelo Superior Tribunal de Justiça em matéria infraconstitucional, na sistemática dos arts. 543-B e 543-C da Lei nº 5.869, de 1973, ou dos arts. 1.036 a 1.041 da Lei nº 13.105, de 2015 (Código de Processo Civil), deverão ser reproduzidas pelos conselheiros no julgamento dos recursos no âmbito do CARF.

O escritório VK Advocacia Empresarial encontra-se à disposição para orientar seus clientes que desejam requerer o reconhecimento de créditos dos insumos advindos do desenvolvimento de suas atividades, utilizáveis na apuração da base de cálculo do tributo devido.

Texto de Yasmin Vieira de Oliveira Riegert

Av. Prudente de Morais, 1.070 – 2º Pavimento - Coração de Jesus – Belo Horizonte - Minas Gerais – CEP 30.380-252
Tel/Fax: (31) 3303-5959 – vkadvocacia@vkadvocacia.com.br