Notícia


Direito Tributário
31/05/2021

RECOMEÇA MINAS – ANISTIA – Plano de Regularização e Incentivo para a Retomada DA Atividade Econômica no Estado de Minas Gerais

 

Foi publicada no Diário Oficial do dia 22/05/2021, a Lei nº 23.801/2021, que instituiu o Plano de Regularização e Incentivo para a Retomada da Atividade Econômica no Estado de Minas Gerais – Recomeça Minas, com incentivos e reduções especiais para a quitação de Créditos tributários do Estado.

No dia 26/05/2021 foi publicado o Decreto nº 48.195/2021, regulamentando referido programa no que tange ao Imposto sob Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Os créditos tributários abarcados pela anistia estadual referem-se a ICMS, IPVA, ITCD e das Taxas de Incêndio[1], de Licenciamento de Veículos e Florestal, referentes a fatos geradores ocorridos até 31/12/2020, formalizado ou não, inscrito ou não em dívida ativa, ajuizada ou não sua cobrança, e saldo remanescente de parcelamento fiscal em curso, que poderão ser pagos à vista ou parceladamente.

No entanto, não se aplicam aos débitos oriundos de empresas optantes pelo Simples Nacional, exceto aqueles administrados pelo Estado de Minas Gerais, como por exemplo o DIFAL.

O ingresso no Plano será formalizado mediante requerimento de habilitação para pagamento, à vista ou parcelado, até 16 de agosto de 2021.

Deve-se observar que a adesão ao “Recomeça Minas” deverá alcançar a totalidade dos créditos tributários vencidos e não quitados de responsabilidade do contribuinte, com raras exceções que serão previamente analisadas pela Advocacia Geral do Estado, a qual levará em consideração o tempo processual da demanda e outras situações especificas que torne recomendável tal exclusão.

Com relação ao ICMS, o valor das parcelas não poderá ser inferior a R$500,00 (quinhentos reais), sendo as opções de parcelamento e suas reduções as seguintes e vedada a utilização de precatórios ou quaisquer outros títulos nestes casos:

  1. Pagamento à vista, com redução de 90% das penalidades e acréscimos legais;
  2. Pagamento em até 12 parcelas, com redução de 85% das penalidades e acréscimos legais;
  • Pagamento em até 24 parcelas, com redução de 80% das penalidades e acréscimos legais;
  1. Pagamento em até 36 parcelas, com redução de 70% das penalidades e acréscimos legais;
  2. Pagamento em até 60 parcelas, com redução de 60% das penalidades e acréscimos legais;
  3. Pagamento em até 84 parcelas, com redução de 50% das penalidades e acréscimos legais.

Ressalta-se que, com relação às multas isoladas aplicadas e para fins de determinação da data do vencimento delas, será considerada a data da ocorrência da infração que ensejou sua aplicação e não a efetiva data de sua aplicação para inserção no Plano de Regularização.

Uma segunda opção de parcelamento dos créditos de ICMS se dá de forma escalonada, no prazo de 180 (cento e oitenta) meses, dispensado o oferecimento de garantia real, fiança bancária, seguro garantia ou qualquer outra, com exceção de fiança pessoal do sócio do contribuinte, nos seguintes percentuais:

  • Parcelas 1 a 12: 0,25% mensal do débito consolidado;
  • Parcelas 13 a 24: 0,30% mensal do débito consolidado;
  • Parcelas 25 a 36: 0,35% mensal do débito consolidado;
  • Parcelas 37 a 179: 0,63% mensal do débito consolidado;
  • Parcela 180: saldo devedor remanescente.

Neste caso, fica permitida a utilização de precatórios e doação em pagamento com bens imóveis para quitação de parte ou de todo o crédito tributário.

Para os pagamentos parcelados será aplicada a taxa de juros equivalente à Taxa Referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – Taxa Selic.

O contribuinte pode optar por excluir crédito tributário que seja objeto de parcelamento em curso ou requerer a sua transferência para esta nova modalidade de parcelamento, sendo mantidas as garantias porventura vinculadas ao parcelamento original.

Serão devidos honorários advocatícios à Procuradoria da Fazenda Estadual, os quais serão calculados sobre o valor do crédito tributário apurado com as reduções previstas, observado o mesmo número de parcelas escolhido pelo contribuinte em sua adesão, nos seguintes percentuais: i) 5% (cinco por cento) para pagamento à vista ou mediante parcelamento em até doze parcelas; ii) 7,5% (sete inteiros e cinco décimos por cento) para pagamento em até trinta e seis parcelas e iii) 10% (dez por cento) para pagamento mediante parcelamento superior a trinta e seis parcelas.

Com relação a débitos de IPVA, foi prevista apenas a possibilidade de pagamento à vista com 100% de desconto de multa e juros ou em até 6 parcelas, com desconto de 50% de multa e juros.

No que tange a débitos de ITCD, serão aplicadas as seguintes reduções:

  1. Pagamento à vista, haverá uma redução do valor do imposto de 15%, sendo as multas reduzidas em 100% e os juros em 50%, desde que o pagamento se dê no prazo de 90 dias, contados da regulamentação;
  2. Pagamento em 12 parcelas: 100% de redução de multa e juros;
  • Pagamento em 24 parcelas: 50% de redução de multa e juros.

Referente às Taxas, há apenas previsão para pagamento à vista, com desconto de 100% de juros e multas, trazendo hipótese de parcelamento apenas para as entidades filantrópicas e templos de qualquer culto em duas parcelas.

Como ocorre na maioria das Anistias instituídas, o pedido de ingresso implica o reconhecimento dos créditos tributários nele incluídos, devendo o contribuinte promover a desistência de eventuais ações ou embargos à execução fiscal, com renúncia ao direito sobre o qual se fundam, nos autos judiciais respectivos, bem como a desistência de eventuais impugnações, defesas e recursos apresentados no âmbito administrativo.

Importante destacar que o art. 5º do decreto 48.195/21, em seu inciso II, determina que a adesão ao parcelamento em comento alcança crédito tributário objeto de ação penal por crime contra a ordem tributária, relativamente a tributo de competência deste Estado, desde que a respectiva sentença condenatória, se proferida, não tenha transitado em julgado.

Noutro giro, dentre outros benefícios concedidos, ressalta-se: i) a redução a 0% (zero por cento), até noventa dias após o término da vigência do estado de calamidade pública no Estado em decorrência da pandemia de Covid-19, da carga tributária relativa ao ICMS incidente sobre produtos da cesta básica, ii) a proibição de suspensão e o cancelamento da inscrição estadual de empresas em razão de dívidas tributárias vencidas ou vincendas durante a vigência do estado de calamidade pública no Estado em decorrência da pandemia de Covid-19, iii) prorrogação da redução da carga tributária do ICMS relativa à aquisição de óleo diesel por empresa prestadora de serviço de transporte rodoviário público de passageiros por até noventa dias após o término da vigência do estado de calamidade pública no Estado em decorrência da pandemia de Covid-19 etc.

Enfim, levará a perda do parcelamento o contribuinte que não efetuar o pagamento de 3 (três) parcelas consecutivas ou não, ou de qualquer parcela decorridos 90 (noventa) do prazo final do parcelamento, bem como a inobservância de quaisquer exigências estabelecidas pela lei.

Sem mais para o momento, a equipe tributária da VK Advocacia Empresarial se encontra à disposição para maiores esclarecimentos sobre o assunto, bem como para orientações que se fizerem necessárias e adoção das medidas administrativas e judiciais adequadas.

[1]Vale destacar que a Taxa de Incêndio foi declarada inconstitucional pelo STF, devendo os contribuintes ficarem atentos para tal previsão constante na citada lei.

 

Texto da advogada tributarista Juliana Campos Rocha

 

Av. Prudente de Morais, 1.070 – 2º Pavimento - Coração de Jesus – Belo Horizonte - Minas Gerais – CEP 30.380-252
Tel/Fax: (31) 3303-5959 – vkadvocacia@vkadvocacia.com.br