Notícia


Direito do Trabalho
18/12/2019

COMO PROCEDER À RETENÇÃO DE INSS E IRPF DE PROFISSIONAL AUTÔNOMO APOSENTADO PELO REGIME PRÓPRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

 

Inicialmente, deve restar claro que profissional autônomo é todo aquele que exerce sua atividade profissional sem vínculo empregatício, por conta própria e com assunção de seus próprios riscos. A prestação de serviços se dá de forma eventual – ou seja, não habitual.

É iminente o risco de reconhecimento de vínculo de emprego quando presentes os requisitos da subordinação, habitualidade, pessoalidade e onerosidade, independente de ser o profissional autônomo ativo ou inativo no serviço público.

No tocante à invalidez e aos recolhimentos fiscais e previdenciários, é interessante destacar que o artigo 222 da lei 8112/90 diz que perde a qualidade de beneficiário do Regime Próprio da Previdência Social o servidor aposentado por invalidez quando cessada tal condição. E é óbvio que, ao exercer outra atividade, mesmo que no âmbito privado, implica em cessação da invalidez.

Na realidade, tanto no RGPS como em RPPS, a volta à atividade remunerada é incompatível com a manutenção da aposentadoria por invalidez. Tanto é que a própria lei previdenciária vislumbra o seu cancelamento quando descobre a atividade profissional paralela. No INSS, a regra é clara: “o aposentado por invalidez que retornar voluntariamente à atividade terá sua aposentadoria automaticamente cancelada, a partir da data do retorno”.

Desta forma, o recolhimento do INSS no Regime da Previdência Social poderá anular a aposentadoria concedida no RPPS, visto que os sistemas são interligados.

 

Texto da advogada trabalhista Paola Barbosa de Oliveira.

Av. Prudente de Morais, 1.070 – 2º Pavimento - Coração de Jesus – Belo Horizonte - Minas Gerais – CEP 30.380-252
Tel/Fax: (31) 3303-5959 – vkadvocacia@vkadvocacia.com.br